Páginas

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Feliz Natal

A família do Haras 4x4. Deseja a todos os amigos(as). Um Feliz Natal e um próspero Ano Novo, que Deus proporcione muito amor, saúde, paz e felicidades. Que o Natal seja sempre a busca no seu coração, plantando o amor no consumo da verdadeira paz.


terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Homenagem Especial ao meu Pai que esta fazendo 4 anos de falecimento

Meu pai José Diógenes nasceu no dia 15.05.1927, na fazenda Santa Rita município de Portalegre, Rio Grande do Norte, filho mais velho do casal de saudosa memória Augêncio Gomes de Paiva e Antonieta Fernandes de Paiva da sua união Augêncio e Dona Antonieta nasceram José Diógenes, Ademar Diógenes (IN MEMORIUM) Dagmar Diógenes, Edimar Diógenes e Sebastião Diógenes (tião)). De sua cidade natal Riacho da Cruz, veio para Assu quando no dia 12 de janeiro de 1957 contraiu o matrimônio com Maria José Cabral Paiva (Zezé) Dessa união nasceram seus filhos Wilton, Wilma, Wila e Wilza.

Bem jovem ele veio residir na cidade de Assú, passando a trabalhar ao lado do seu cunhado Agnaldo Gurgel. Sua maneira simples de ser fez construir um ciclo de amizade passando a participar da comunidade Assuense. Estudou no Educandário Nossa Senhora das Vitórias onde se formou em técnico em contabilidade. Zé Diógenes no seu trabalho cotidiano de contabilista ou contador, também fazia parte de outros segmentos da sociedade Assú, como: Agropecuarista, procurador publico do Patrimônio de São João Batista presidente do Instituto Padre Ibiapina, Sócio e fundador da Radio Princesa do Vale e proprietário da antiga Drogaria Continental.

Pai a dor é imensa, a saudade infinita... Não existem palavras para expressar sentimentos se passaram 4 anos e ainda não parece real, apenas um pesadelo daqueles que você tenta, tenta e tenta acordar e não consegue. Pai tudo lembra o senhor o senhor continua presentes em todos os momentos, lugares e principalmente no HARAS 4x4 aonde sempre ia ao final de semana.

Pai Saudade não tem forma nem cor; não tem cheiro nem sabor. Fala-se nela, mas não se vê; só pensa nela quem acredita. Ela é parte da ausência; ela é parte do amor; ela tem realidade, mas quem a tem sente dor, uma dor miudinha, que cresce no coração, e que nunca vem sozinha… Acompanha a solidão; quem a sente nunca esquece, nem nunca esquecerá, o sentimento que não adormece, por alguém que não está! (Rita M. F. Silva)

TE AMO MUITO PAPAI!!!!!!!