Páginas

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

HARAS 4X4 CRIAÇÃO DE CAVALOS: QUARTO DE MILHA

Em Assú/RN, a família Diógenes Montenegro sempre teve o objetivo de criar cavalos “Quarto de Milha”. O início da criação se deu em janeiro de 2004, quando um dos proprietários, Guilherme Diógenes Montenegro, foi presenteado com um cavalo da referida raça, de nome Cel. Paulo Fred, com apenas seis meses de vida, e logo de início foi construída uma acomodação para o mesmo. A partir de então surgiu o desejo em ampliar a criação desses animais. Começou-se então a construção de outras baias, fazer piquetes com plantio de FENO (tifano) para criação do referido animal e dos outros da qual segue.
De 2005 a 2007 chegaram novos cavalos todos de raça quarto de milha com registro na ABQM - Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha. Cel. Patrik, Cel. Fredelian Cel. Marcos Fred, Cel. Domingos Fred, Dona Edina Fred Ce. Giga e Dona Meire. Tendo como proprietários Marcos Antonio Montenegro de Medeiros, Wilma Cabral Diógenes Montenegro, Beatriz Diógenes Montenegro e Guilherme Diógenes Montenegro.
Desde então a família Diógenes Montenegro vem se especializando na criação de cavalos dessa raça, e para tanto, objetiva a sua ampliação com a implantação do Haras 4x4.






Estrutura



O Haras 4x4 possui campos da variedade cuja produção é destinada ao consumo dos animais alojados na propriedade. Os animais, por sua vez, ficam distribuídos em piquetes de pastejo ou em uma das baias localizadas na propriedade.



Objetivos Geral




Criar, treinar e apresentar cavalos da raça Quarto de Milha, visando à divulgação de seus produtos e serviços em Vaquejadas, exposições, cavalgadas e festas, procurando mostrar ao publico em geral as características destes animais buscando comercializar seus produtos e serviços de forma justa e competente.







Objetivos Especificos:





  • Fazer em seu plantel animais aptos para aluguel para cavalgado, passeio.


  • Alugar baias para acomodação de cavalos que necessita o bem esta em um determinado período da semana do mês ou do ano.




  • Organizar pista de vaquejada.




  • Venda de Feno (tifano).




  • Venda de coberturas.




  • Venda SEMÊM.




  • Venda de filhote.








VENDIDO






VENDIDO


Portanto o principal objetivo é promover o desenvolvimento da criação do cavalo Quarto de Milha em nossa região, com vendas de filhotes, semêm e coberturas em égua de terceiro, ou seja, de égua de criadores da região, fazendo com que haja uma melhoria no plantel eqüino na nossa região. Para o sucesso desse projeto são os critérios de venda, são essenciais, além do preço justo, negociaremos o pagamento conforme a quantidade de cobertura de cada criador. Com relação ao aluguel de charrete cavalgada, passeio e baias serão negociados conforme a procura para tais serviços. Um parque de vaquejada será mais um implemento tanto para divulgação de nossos animais como também para pratica da vaquejada. O feno também servira para o consumo próprio dos nossos animais como também para vendas em toda região.
wilmadiogenes@hotmail.com







segunda-feira, 24 de agosto de 2009

HARAS 4X4 localização na BR 304, próximo a Ponte Felipe Guerra no Rio Piranhas ou Assú/RN

Cel. Domingos
4 anos
VENDIDO


Cel. Marcos Fred
4 anos


Cel. Patrick
6 anos

VENDIDO


Cel. Paulo Fred

5 anos


Cel. Giga
2 anos e meio


VENDIDO



Dona Edina
3 anos


VENDIDA



Dona Meirinha
2 anos e meio


VENDIDA



Cel. Fredilian
7 anos


VENDIDO



Equipe do Haras 4x4
Guilherme Diógenes e Andre Diógenes

Cel. Domingos
e
Guilherme Diógenes


VENDIDO


wilmadiogenes@hotmail.com

terça-feira, 14 de julho de 2009

HARAS 4x4 - ASSÚ/RN

O Haras 4x4, espaço físico destinado à criação de Cavalos Quarto de Milha, todos com registro ABQM – Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Quarto de Milho. A raça “Quarto de Milha” se apresenta como os animais mais versáteis, com características especiais, o cavalo movimenta milhões de dólares pelo mundo inteiro através de corridas e esportes, além de grandes exposições, cavalgadas, festas, e vaquejada, exclusivas, destinadas ao comércio de produtos característicos e as competições que julgam a habilidade, qualidade e beleza deste animal. Os cavalos do Haras 4x4 em estudo, além de possuírem estas aptidões, apresentam outros atributos em comum: todos têm uma conformação equilibrada, excelentes movimentação e capacidade atlética para as competições de vaquejada e cavalgadas. São treinados diariamente para suas funções, possuindo um temperamento calmo e equilibrado, fundamental para o desenvolvimento de suas atividades.

HARAS 4X4 localização na BR 304, próximo a Ponte Felipe Guerra no Rio Piranhas ou Assú/RN.

VENDE-SE E ALUGA-SE

CAVALOS DA CRIAÇÃO "QUARTO DE MILHA"
• ALUGAR CAVALOS PARA COBERTURA EM ÉGUA DE NOSSA REGIÃO.
• ALUGAR BAIAS PARA ACOMODAÇÃO DOS CAVALOS.
• VENDE FENO PARA AS PROPRIEDADES DA REGIÃO QUE POSSUEM ANIMAIS QUE CONSUMEM ESTE PRODUTO.
• ALUGA CAVALOS PARA CAVALGADA.(PASSEIO)

ORGANIZAÇÃO; MARCOS MONTENEGRO (84) 99280437
WILMA DIÓGENES (84) 94113042

segunda-feira, 13 de julho de 2009

VAQUEJADA FAZENDA LAGOA DO MATO- ASSU/RN

II VAQUEJADA PARQUE GORGÔNIO BEZERRA FILHO
08 E 09 DE AGOSTO DE 2009
PREMIAÇÃO; 10.250,00 EM PRÊMIOS
ORGANIZAÇÃO FERNANDO ABREU

terça-feira, 19 de maio de 2009

Agenda das Vaquejada Mês de Maio de 2009

24ª Vaquejada de Angicos
(De 22/05/2009 a 24/05/2009)
Local:Parque São José - Angicos - RN
Show: Sábado - Claúdio Rios, Ferro na Boneca, Forró Pegado
Domingo - Garota Safada, Saia Rodada e Forrozão Pode Balançar
Premiação:
R$ 50.000,00 em prêmios
Contato:
Doro (84) 9965.0053


1ª Vaquejada de Caraúbas
(De 29/05/2009 a 31/05/2009)
Local: Saia Rodada Park Show - RN
Show: Garota Safada, Pé de Urtiga e Saia Rodada
Premiação:
100.000,00 em Prêmios
Contato:
Edu, Juninho, Ronaldo e Raí - 9423-2458,

27ª Vaquejada de Jucurutu
(De 12/06/2009 a 14/06/2009)
Local:Parque Manoelzinho Pereira - RN
Show: Em breve
Premiação:
R$ 70.000,00 em Prêmios
Contato:
Junior Rodrigues

wilmadiogenes@hotmail.com

sábado, 9 de maio de 2009

VAQUEJADA TRIUNFO POTIGUAR


Vaquejada de Triunfo Potiguar 09 e 10 de 2009.

A equipe do Haras 4x4.

Vai com sua representação,
"Guilherme Diógenes
, Andre Diogenes e Paulo do Bolo".

wilmadiogenes@hotmail.com






segunda-feira, 30 de março de 2009

A Vaquejada nº 1 do Brasil

Grande Vaquejada 3, 4, e 5 de abril de 2009

Local Mossoró Park Show - RN

Sexta aviões, Solteirões, Zabumbaço, Sabado Forro do Muído e Plays e no domingo Furacão e Toca do Vale

R$ 120.000,00 em Prêmios

Fabio e Junior Porcino

A equipe do Haras 4x4.
Vai com sua representação
"Guilherme Diógenes e Matheus Corsino".
wilmadiogenes@hotmail.com

segunda-feira, 23 de março de 2009

Tema: Marketing Titulo: Gestão da Produção e Marketing em Vaquejada no Haras 4x4 Autora: Wilma Cabral Diógenes Montenegro

1- INTRODUÇÃO

Num passado recente, quando se falava em vaquejada, ou esporte do vaqueiro, pensava-se logo em festa de família, festa da zona rural onde a festa era feita de maneira assistemática sem, contudo levar em consideração os riscos, o detalhamento das diversas atividades e as exigências e amparo legal para o boi e para o vaqueiro.
Atualmente, essa atividade bastante difundida tanto na zona rural como na zona urbana, faz-se necessários procedimentos eficazes onde a festa da vaquejada seja feita de maneira sistemática, prazerosa, levando-se em consideração os riscos, os cuidados essenciais para com o boi e para com o vaqueiro e ainda toda uma organização para com aqueles que vão prestigiar esse esporte tão bem aceito por todos.
A competição em si tem que ter suas metas, seus objetivos, onde essa pratica esportiva seja de maneira ordenada onde os atores da festa recebam cuidados, haja uma disciplina onde cada fase da festa seja alicerçada de uma metodologia onde abrange a função de segurança, a função financeira, a função receptiva e tantas outras úteis para o bom andamento do evento.
Ainda vale ressaltar o cuidado imprescindível do Gestor do Haras 4x4 em atender de maneira criteriosa todos os convidados, além dos cuidados para, com os cavalos e com boiada, no sentido de tornar saudável toda a competição.
2- OBJETIVOS
2.1-Geral
· O presente relatório tem por objetivo descrever a gestão da produção e marketing em vaquejada no Haras 4x4.
2.2-Específicos
· Verificar as condições estruturais do Haras 4x4;
· Analisar o desempenho dos cavalos e dos vaqueiros do Haras 4x4 no período 2006 a 2008;
· Analisar o sistema de treinamento dos cavalos e dos vaqueiros;
· Descrever as etapas do processamento da vaquejada;
· Analisar as fases ligadas ao marketing e a divulgação das vaquejadas;
· Analisar os aspectos comerciais das vaquejadas do Haras 4x4.
2.3 - Justificativa
Vivemos numa sociedade globalizada e complexa em que múltiplos processos sociais, tecnológicos, econômicos e culturais se confundem e ocorrem ao mesmo tempo. Esses processos afetam cada localidade de modo particular mesclando elementos do mundo global que estejam presentes em determinada região e cidades com valor forma de ser e de trabalhar próprias de lugar.
Todavia, é através dessa prática desportiva cultural que tentamos procuramos a dar ênfase e valorizar esse evento para daí, com os investimentos acentuados, poder assegurar em termos lucrativos a permanência, dentre outros o gerenciamento do emprego e renda dentro dos padrões que se refere a todo o processo de compra, venda e lazer que tem todo um potencial de continuar as metas e ações permanentes que norteia todo esse fator temático de se trabalhar e processar um grande empreendimento que é a vaquejada; motivo de engrandecimento e tradição de uma família.
Pelo motivo de a disciplina de estágio supervisionado ser obrigatório e por fazer parte da grade curricular (parte prática), preferimos realizar e conciliar essa atividade acadêmica com a experiência no Haras 4x4.
3 – REFERENCIAL TEÓRICO
O presente capítulo tem por objetivo descrever, ou melhor, relatar algumas das principais concepções bastante comuns na administração.
3.1. O Processo Produtivo
Segundo Macedo (2004,) “O conceito de produtividade vai além dos aspectos restritos ao processo de produção, pois a geração de valor também depende fundamentalmente das demais etapas do processo produtivo”, ou seja, a compra de bens e serviços intermediários e a venda dos bens e serviços que a empresa produz. Se a estratégia de compras da empresa (quantidade, qualidade, relação com fornecedores, etc.) é inadequada e/ou a sua estratégia e resultados de mercado são problemáticos, a eficiência de seu processo produtivo pode ficar comprometida, apesar da excelência que possa ter no seu processo de produção.
3.2. Marketing
Para Churchill, (2003,) "marketing é o processo de planejar e executar a concepção, estabelecimento de preço, promoção e distribuição de idéias, bens e serviços, a fim de criar trocas que satisfaçam metas individuais e organizacionais".
Num mesmo argumento Cobra, (1997) relata que marketing é uma forma de sentir o mercado e buscar o desenvolvimento de produtos ou serviços que satisfaçam necessidades específicas.
Todavia, pessoas confundem marketing como uma expressão qualquer, relacionando-o exclusivamente com propaganda ou com venda. O fato é que há diferenças entre tais termos.
3.2.1. O Composto de Marketing os 4Ps.
Depois que a empresa decide sua estratégia, está apta a começar a planejar os detalhes do Mix de Marketing ou Composto de Marketing ou ainda os 4Ps.
O composto de marketing, segundo Churchill (2000,) "é uma combinação de ferramentas estratégicas usadas para criar valor para os clientes e alcançar objetivos da organização".
Os 4Ps como também são conhecidos essas ferramentas, é um grupo de variáveis controláveis pelo marketing que a empresa utiliza para produzir a resposta que deseja ao mercado-alvo. O composto de marketing são todas as ações da empresa com a intenção de influenciar a demanda de seu produto. Podem ser definidas em quatro grupos de variáveis: Produto, preço, praça e promoção.
· Produto – É a combinação de bens e serviços que a empresa oferece ao mercado-alvo.
· Preço – Significa a soma em moeda corrente que os clientes devem pagar para obter o produto.
· Praça – São os canais de distribuição usados para tornar o produto disponível para os consumidores.
· Promoção – São os meios utilizados para informar, convencer e lembrar os clientes sobre os produtos ou serviços disponíveis. Esses meios são visíveis nas ações de promoções de venda, merchandising, marketing direto, publicidade.
O produto ou serviço deve satisfazer as necessidades e os desejos dos consumidores. O ponto significa levar o produto da forma mais acessível e rápida ao mercado consumidor. O preço deve ser ajustado ás condições de custo de fabricação e de mercado. A promoção deve comunicar o produto ou serviço ao mercado, estimulando e realizando a venda.
3.2.2. Marca
Para kotler,(1988) os primeiros exemplos de marca ocorreram na arte, com a colocação dos nomes dos artistas em suas obras. A evolução da utilização das marcas ocorreu a partir da revolução industrial, quando a enorme demanda, que gerava uma produção em cadeia, levou fabricantes e atacadistas a escolherem marcas para seus produtos. A marca eliminava a necessidade de o consumidor obter informações sobre o produto antes de comprá-lo.
Segundo Reis, Mandetta,(2003) "da mesma maneira que todos nós somos conhecidos por nossos nomes ou apelidos, os produtos são reconhecidos pelos consumidores potenciais por suas marcas e símbolos."
A fidelidade á marca se desenvolve pelo atendimento ás expectativas do cliente ou, melhor ainda, pela sua superação, ao deixar o cliente encantado. Para manter esse cliente encantado, será necessário entender o cliente para depois atendê-lo com suas diferenças nas necessidades ou desejos, nas suas atitudes e predisposições quanto as ofertas de mercado. Segundo Rocha, Christensen, (1999), “a satisfação do cliente é vista como o propósito maior da organização e como única forma pela qual ela poderá sobreviver a longo prazo".
Diante desse fato, pode-se afirmar que manter os clientes é a primeira providência a ser tomada. É preciso traçar uma estratégia e saber quem são os consumidores no processo de decisão de compra. Quais seus papéis na hora da compra e os estágios do processo que leva o indivíduo a comprar, ou usar, determinado produto.
Segundo Rocha, Christensen,(1999), "existem basicamente cinco papéis dos consumidores na hora da compra, que os indivíduos podem exercer:
· O iniciador – A pessoa que em primeiro lugar, sugere ou tem a idéia de comprar um produto ou serviço específico;
· O influenciador – Pessoa cujos pontos de vista ou conselhos possuem alguma influência na tomada de decisão de compra;
· O decisor – Pessoa que literalmente, dá a palavra final, que decide comprar, ou não, o que, como ou onde comprar;
· O comprador – Pessoa que faz a compra;
· O usuário – Pessoa que consome ou utiliza determinado produto ou serviço.
O mesmo indivíduo pode em muitas vezes, exercer ao mesmo tempo todos esses papéis, mas comumente eles são exercidos por mais de uma pessoa.
3.2.3 O valor da Marca
Para entender o conceito de valor da marca, é necessário saber primeiramente, qual é o valor que o consumidor atribui á ela. Segundo Kotler e Armstrong (2003), “Uma marca poderosa, goza de alto nível de conscientização e fidelidade por parte dos consumidores.
4 – METODOLOGIA
Para a confecção do presente relatório utilizou-se pesquisa bibliográfica em livros, pesquisa de campo, e internet, conforme atividades abaixo discriminado.
4.2 O Relato Das Atividades:
A partir da definição do cronograma de atividades, o passo foi segui um planejamento de execução para a confecção do relatório.
1. Definição o local de Estágio: No dia 01 de setembro foi mantido contato com o professor orientador sobre estágio. Na oportunidade se discutiu a melhor atividade e o local para seu desenvolvimento.
2. Escolha da empresa: Após a definição da empresa para realização do estagio, o passou seguinte foi; 02 de setembro, diretora da Faculdade Católica Nossa Senhora das Vitórias, solicita para a aluna Wilma Cabral Diógenes Montenegro fazer o preenchimento do requerimento do estagio curricular supervisionado, conforme a empresa e a área.
3. Apresentação do oficio para realização do Estágio 03 de setembro, conforme o requerimento que foi preenchido pela aluna Wilma. Montenegro, a secretaria geral Kirialle Soares enviou um oficio de nº 69 para o proprietário do Haras 4x4, apresentando a aluna do curso de administração, para realizar o seu estágio curricular e supervisionado da produção e marketing em vaquejada.
4. Coleta do aceite do orientador – 23 de setembro o proprietário Marcos Montenegro enviou uma carta conforme o oficio de nº. 069, de aceitar a aluna WILMA DIOGENES do curso de administração para realizar o estagio supervisionado na área gestão da produção e marketing em vaquejada.
5. Elaboração de Questionário: em 3 de outubro fase de elaboração de questionário.
6. Pesquisa de Campo: 4 de 0utubro as 14hrs, foi feita uma entrevista com um dos funcionários, (tratador) do Haras 4x4.
7. Histórico do Haras 4x4. No período de 6 a 8 de outubro.
8. Pesquisa em Internet 10 de 0utubro pesquisa no website
9. Descrição do processo das atividades do haras 4x4. 12 de outubro o proprietário apresenta um organograma da estrutura do funcionamento.
10. Livros: Markrnting no período de 15/10 a 30/10criando o valor para o cliente, marketing básico, marketing as melhores pratica, marketing edição complementar, princípios de marketing, marketing princípios aplicado, marketing teoria e pratica no Brasil. A administração de produção, a produção sob pressão, fundamentos metodológicos.
11. Trabalho em campo (estágio) 07 a 08 de novembro, processamento de treinamento para vaquejada.
12. Trabalho em campo desempenho dos cavalos nas competições: Origem dos animais. 15 de novembro o proprietário Marcos fez um pequeno relato sobre a equipe (dupla de vaqueiro) e os cavalos, deu inicio as competições desde 2006 a 2008.
13. Orientador do estágio: 18 de novembro o professor orientador do curso, fez a correção no relatório.
14. Trabalho em campo; 21/22 a equipe do Haras foram passar (treinar) os cavalos no parque Nossa Senhora de Lourdes Ipanguaçu-RN
15. Trabalho em campo (estágio) Passeio com a vaqueirama daquela localidade.
16. Trabalho em campo: 19/12 cavalgada
17. Trabalho em campo; 20 e 21 de dezembro a equipe do haras participou de um bolão no PARQUE JOÃO FELIPE- Pendências
18. Trabalho em campo; 23/12 a capação do cavalo CEL. Paulo Fred. (Dr. Orlando)
5. APRESENTAÇÃO DO HARAS 4x4
O Haras 4x4 propriedade com nove hectares de várzea localizada na BR: 304 km 117 – Assú/RN próximo ao rio Piranhas-Assú. O haras é composto de vários animais de raça quarto de milha, com registro ABQM-Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha. Tem como nome registrado. Cel. Patrick com 5 anos, (puxador) Cel. Domingos, com 3 anos. (Esteira) Cel. Marcos freed, 3 anos é um dos cavalos do haras 4x4 mais ágil e veloz.(puxador) Cel. Fredson 6 anos (puxador). Cel. Paulo Freed, raça Quarto de Milha/Inglês, 4 anos (Esteira).
O proprietário do Haras 4x4 Marcos Montenegro, tem como tratador dos cavalos Túlio da Silva com 35 anos, os vaqueiros Guilherme Diógenes, 14 anos André Diógenes 17 anos e Paulo com 27 anos. Local apropriado para criação de animais, uma casa, uma apartamento para o tratador e sua família armazém, 05 baias, (4x5) armazém (selaria e rações) estábulo (7x10), 08 piquetes (10x10) campo de fenação, veiculo para transporte dos animais, trailer, poço, irrigação completa eletrificação, cerca com 8 fio de arame, tanque com a capacidade de 50 mil litros De água, (criação de peixe) feno, manga, caju, acerola, pinha, graviola, umbu, e seriguela, goiaba galinheiro com 30 frangos 06 vaca leiteira, 06 cavalos, área de lazer e uma piscina (3x5).
5.1 Cavalos Quarto de Milha: A origem da raça
Segundo a Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Quarto de Milha – ABQM, a raça de Cavalos Quarto de Milha foi a primeira a ser desenvolvida na América. Ela surgiu nos Estados Unidos por volta do ano de 1600. Os primeiros animais que a originou foram trazidos da Arábia e Turquia à América do Norte pelos exploradores e comerciantes espanhóis.
Os garanhões[1] escolhidos eram cruzados com éguas que vieram da Inglaterra, em 1611. Os cruzamentos produziram cavalos compactos, com músculos fortes, podendo correr distâncias curtas mais rapidamente do que nenhuma outra raça.
Com a lida no campo, no desbravamento do Oeste Norte-Americano, o cavalo foi se especializando no trabalho com o gado. Nos finais de semana, os colonizadores divertiam-se, promovendo corridas nas ruas das vilas e pelas estradas dos campos, perto das plantações, com distância de um Quarto de Milha (402 metros), originando o nome do cavalo.
Foi fundada em 15 de março de 1940, a American Quarter Horse Association (AQHA), em College Station, Texas. Em 1946, a AQHA se transferiu para Amarillo, Texas, onde se encontra até hoje, tornando-se a maior associação de criadores do mundo, com cerca de 338 mil sócios e mais de 4,2 milhões de cavalos registrados, divididos em 43 países, representando 52% dos eqüinos em todo o mundo (dados até 31/12/2002).
5.2 – Características Gerais do Padrão Racial de Quarto de Milha
A figura a seguir mostra em detalhes as características gerais do cavalo de raça
“Quarto de Milha.”
5.3 – Descrições das Características Gerais Racial de Quarto de Milha
Aparência – de força e tranqüilidade. Quando não trabalhando, deve conservar-se calmo, mantendo a própria força sob controle. Na posição parada, mantém-se reunido, com os posteriores sob a massa, apoiando nos quatro pés, podendo partir rapidamente em qualquer direção.
Pelagem – admite-se que a pelagem do Quarto de Milha possa ser alazã, alazã tostada, baia, baia amarilha ou palomina, castanha, rosilha, tordilha, lobuna, preta e zaina. Não serão admitidos, para registro, animais pampas, pintados e brancos, em todas as suas variedades.
Andamento – harmonioso, em reta, natural, baixo. O pé é levantado livremente e recolocado de uma só vez no solo, constituindo-se no trote de campo.
Altura – são cavalos cuja altura é, em média, de 1,50 m. São robustos e muito musculados.
Peso – 500 quilogramas, em média.
Cabeça – pequena e leve. Em posição normal, deve-se ligar ao pescoço em ângulo de 45º. Perfil anterior reto.
Faces - cheias, grandes, muito musculosas, redondas e chatas, vistas de lado; discretamente convexas e abertas de dentro para fora, vista de frente, o que proporciona ganachas bem mais largas que a garganta. Desta forma, a flexão da cabeça é muito acentuada, permitindo grande obediência às rédeas.
Fronte – ampla.
Orelhas – pequenas, alertas, bem distanciadas entre si.
Olhos – grandes e, devido ao fato de a testa ser larga, bem afastados entre si permitindo um amplo campo visual, tanto para a frente como para trás, ao mesmo tempo, com o mesmo olho.
Narinas – grandes.
Boca – pouco profunda, permitindo grande sensibilidade às embocaduras.
Focinho – pequeno.
Pescoço – comprimento médio. Deve inserir-se no tronco em ângulo de 45º, porém, bem destacado do mesmo. Somente a JUNÇÃO entre o pescoço e a cernelha deve ser gradual.
O bordo inferior – do pescoço é comparativamente reto e deve destacar-se nitidamente do tronco assegurando flexibilidade.
O bordo superior – é reto, quando o cavalo está com a cabeça na posição normal.
Garganta – estreita, permitindo grande obediência às rédeas.
Musculatura – bem pronunciada, tanto vista de lado, como de cima. As fêmeas têm pescoço proporcionalmente mais longo, garganta mais estreita e desenvolvimento muscular menor. O Quarto de Milha, quando em trabalho, mantém a cabeça baixa, podendo, assim, sa-la melhor e permitindo ao cavaleiro uma perfeita visão sobre ela. Tronco – da cernelha ao lombo deve ser curto e bem musculado: Não “selado” especialmente nos animais de lida. Isto permite mudanças rápidas de direção e grande resistência ao peso do cavaleiro e arreamentos. De perfil, é aceitável o declive gradual de 5º a 8º da garupa à base da cernelha. O vértice da cernelha e a junção do lombo com a garupa devem estar aproximadamente no mesmo nível.
Cernelha - bem definida, de altura e espessura médias.
Dorso – bem musculado ao lado das vértebras e, visto de perfil, com muita discreta inclinação de trás para frente. Tendo aparência semi-chata, o arreamento comum deve cobrir toda essa área.
Lombo – curto, com musculatura acentuadamente forte.
Garupa – longa, discretamente inclinada, para permitir ao animal manter os posteriores normalmente embaixo da massa (engajamento natural).
Peito – profundo e amplo. O peito veste de perfil, deve ultrapassar nitidamente a linha dos antebraços, estreitando-se, porém, no ponto superior da curvatura, de forma a diferenciar-se nitidamente do pescoço. Vista de frente, a interaxila tem forma de “V” invertido, devido à desenvolvida musculatura dos braços e antebraços.
Tórax – amplo, com costelas largas, próximas, inclinadas, elásticas. O cilhadouro deve ser bem mais baixo que o codilho.
5.3.1 – Membros Anteriores
Espádua – deve ter ângulo de aproximadamente 45º, denotado, equilíbrio e permitindo a absorção dos choques transmitidos pelos membros.
Braços – musculosos interna e externamente.
Antebraços – o prolongamento da musculatura interna dos braços proporciona ao bordo inferior do peito, quando visto de frente, a forma de “V” invertido, dando ao cavalo a aparência atlética e saudável. Externamente, a musculatura do antebraço também é pronunciada. O comprimento do antebraço é um terço a um quarto maior que a canela.
Joelhos – vistos de frente são cheios, grandes e redondos; vistos de perfil, retos e sem desvios.
Canelas – não muito curtas. Vistas de lado, são chatas, seguindo o prumo do joelho ao boleto; vista de frente, igualmente sem desvios.
Quartelas – de comprimento médio, limpas, em ângulo de 45º, idêntico a da espádua, e continuam pelos cascos com a mesma inclinação.
Cascos – de tamanho médio, formato aproximadamente semi-circular, com talões bem afastados, sem desvios.
5.3.2 – Membros Posteriores
Coxas – longas, largas, planas, poderosas, bem conformadas, fortemente musculadas, mais largas que a garupa.
Soldra – recoberta por musculatura bem destacada, poderosa.
Pernas – muito musculosas. Essencialmente importante é o desenvolvimento muscular homogêneo, tanto interno quanto externamente.
Jarretes – baixos. Por trás, são largos, limpos, aprumados; de perfil, largos, poderosos, estendendo-se em retaaté os boletos.
Canelas – mais largas discretamente mais longas e mais grossas que as anteriores. De lado, são chatas. São convenientes canelas mais curtas, tornando o jarrete mais próximo do solo, permitindo voltas rápidas e paradas curtas.
5.4 – História da Vaquejada
A vaquejada:
A vaquejada é de origem Potiguar. Foi no Rio Grande do Norte que se registrou a atividade que deu origem a norma. Segundo o historiador potiguar Cascudo (1976), derrubar o boi como nas vaquejadas atuais, ou seja, a derrubada do boi pelo rabo é uma prática típica do Nordeste brasileiro.
Em específico na microrregião do região Seridó (RN), caracterizada por uma geografia acidentada e de vegetação de mata fechada e espinhosa, foi onde tudo começou. Todavia como era impossível o uso da vara pelo aspecto geográfico da região derrubava-se o boi pelo rabo durante as "pegas de gado". Por essa razão tudo indica que foi o "vaqueiro" do Seridó do RN o primeiro a derrubar boi pelo rabo.
Retirado deste passado histórico transformado na Memória pelos caminhos da oralidade, a técnica tradicional nordestina da derrubada do boi pela cauda é trazida para o presente e pode, portanto, tornar-se objeto de estudo sistemático no viés de sua peculiaridade em relação a outras tradições próximas e influentes. Alencar, Apud Cascudo (1976) escreveu a respeito da "puxada de rabo de boi" no Ceará, mas não como sendo prática originária daquele Estado, pois, ele ressaltou sua existência anterior. Existia, e era indiscutível que pudesse existir em Estados vizinhos como, Rio Grande do Norte, Paraíba e Piauí, já que eram regiões tão semelhantes nos hábitos, atividades econômicas e sociais e ambiente físico. E foi isso que levantou a suspeita dos pesquisadores, que logo descobriram pela tradição falada, que muito antes de 1870 já se praticava vaquejada no Seridó, microrrregião do Rio Grande do Norte.
Ainda, Cascudo (1976), cita que os currais de apartação de boi, que deram origem ao nome do município de Currais Novos, foram feitos em 1760. Era também nesse período entre 1760 e 1790 que acontecia em Currais Novos, apartação e feira de gado, e foi das apartações que surgiram as vaquejadas. O pátio de apartação de São Bento, no município de Currais Novos no RN, foi feito em 1830. No Nordeste, desde a colonização, o gado foi sempre criado solto, pois não havia cerca. Era imprescindível a coragem e a habilidade dos "vaqueiros" para embrenhar-se na mata fechada e juntar o gado de seus patrões. O "vaqueiro" tangia o gado, abrindo estrada e desbravando as regiões. Foram estes corajosos homens os grandes desbravadores dos sertões Potiguares e, muito especialmente, do sertão do Seridó.
5.5 A evolução da Vaquejada:
Segundo Cascudo (1976), aqueles vaqueiros, que se destacaram por sua valentia e habilidade, realizavam disputas organizadas pelos coronéis e senhores de engenho, que passaram a organizar torneios de vaquejadas, onde os patrões faziam apostas entre si, contudo, ainda não existiam premiações para os campeões como vemos hoje. A festa se tornou um bom passatempo para os patrões, suas mulheres e seus filhos. Após alguns anos, pequenos fazendeiros de várias partes do nordeste começaram a promover a vaquejada, onde os vaqueiros tinham que pagar uma quantia em dinheiro, para ter direito a participar da disputa. O dinheiro era usado para a organização do evento e para premiar os vencedores.
As "montarias", que eram formadas basicamente por cavalos nativos daquela região, foram sendo substituídas por animais de melhor linhagem. O chão de terra batida e cascalho, ao quais os peões estavam acostumados a enfrentar, deram lugar a uma superfície de areia, com limites definidos e regulamento.
Cascudo (1993), com o tempo, a vaquejada se popularizou de tal forma que existem clubes e associações de vaqueiros em todos os Estados do Nordeste, calendários de eventos e patrocinadores de peso, envolvendo um espírito de competição e alegria enchendo de emoção os participantes. O Rio Grande do Norte foi o estado que deu o primeiro passo para a prática da vaquejada, esporte que emociona e leva centenas de pessoas aos parques onde acontecem as competições.
Anos 90 até a atualidade: A vaquejada é encarada como um grande negócio. Os organizadores faturam bem com a cobrança de ingressos, pois, o público lota as festas de forró realizadas com as melhores bandas do gênero. O vaqueiro é reconhecido como um atleta das pistas de vaquejada.
Vaqueiros:
Os vaqueiros participam em dupla formada pelo puxador e o esteira. O esteiro terá que controlar o boi desde a saída do brete e passará o rabo da rês para o puxador que fará sua derrubada dentro de uma área estabelecida (entre duas faixas pintadas de cal com um vão de 10 metros).
Este trabalho só será válido se o boi ao cair estiver com as quatro patas para cima e se levantar totalmente dentro das faixas sem tocá-las.
Esta modalidade atrai centenas de competidores em busca de grandes prêmios. A vaquejada é um dos grandes esportes de maior apelo popular no Norte e Nordeste, reunindo milhares de pessoas a cada evento.
5.5.1 Regras e os atores envolvidos no processo:
As regras das vaquejadas variam de região pra região e algumas vezes de cidade pra cidade. Numa pista de 160 metros de comprimento com variações sem sua largura, demarca-se uma faixa aonde os bois deverão ser derrubados. Dentro deste limite será válido o ponto, somente quando o boi, ao cair, não queimar a cal (material usado para demarcar as faixas), isso acontece quando o boi é puxado dentro da faixa e mostra as quatro patas antes de levantar-se ainda dentro das faixas de classificação. O boi que ficar de pé, em cima da faixa receberá nota zero de imediato. O boi será julgado de pé. Deitado, somente caso não tenha condições de levantar-se. Participam desta competição sempre uma dupla de vaqueiros que terá direito a ter inscrito o vaqueiro puxador em uma, duas e em alguns casos até três senhas, e o esteira, que é permitido participar de várias senhas. A pista, a corrida e contagem de pontos também precisam estar de acordo com o regulamento.
Locutores: O Locutor tem papel fundamental em uma vaquejada, ele é hoje quem bota sangue nas veias do vaqueiro. O bom Locutor transmite emoção, força e coragem para o vaqueiro e faz a vaquejada ficar mais emocionante. Na verdade o Locutor é quem coordena a festa, e dele depende, muitas vezes, a velocidade com que a vaquejada acontece.
Juizes: O Juiz é uma peça fundamental para esse tipo de evento é a pessoa que julga os bois em uma vaquejada. Ele é hoje um dos homens mais temido, odiado e amado pelos vaqueiros. Ninguém se sente à vontade pra falar ou opinar sobre este ou aquele juiz, pois ele é quem julga as quedas dos bois e diz se o boi valeu ou não, e qualquer julgamento poderá “marcar” um vaqueiro, embora isso não seja problema, já que existem as Comissões Alternativas, para quem os vaqueiros recorrem quando se sentem injustiçados.
Calzeiros: Esse homem é encarregado de marcar as faixas que ficam dentro da pista de vaquejada e vive correndo dos bois.
5.5.2 Acessórios Utilizados:
a) Bota: As botas são usadas pelos vaqueiros para proteger os pés.
b) O bridão ou professora: O bridão é uma espécie de freio leve, usado preso à brida do cavalo. Com ele o animal atende melhor aos comandos das rédeas, feitas pelo vaqueiro.
c) A brida ou freio: Esse acessório é usado preso às rédeas e serve para freiar e orientar os cavalos.
d) A cabeçada: Peça de metal ou couro que, presa às argolas do freio, sustenta esse na boca do cavalo, passando por trás das orelhas.
e) O cabresto: É um usado na cabeça do cavalo e têm todos os componentes da cabeçada, exceto a embocadura. O cabrestro auxilia na condução do cavalo.
f) A chibata: Vara coberta de couro, usada para fustigar os cavalos.
g) A espora: A espora é um acessório de metal usado na vaquejada para incitar o cavalo.
h) O estribo: Peça de metal que fica presa a sela, usada para o vaqueiro apoiar o pé.
i) A luva: A luva é usada para proteger a mão do vaqueiro. Com ela, ele diminui o risco de se machucar ao puxar o rabo do boi.
j) A manta ou fôrro: Acessório usado para colocar sobre o cavalo antes de pôr a sela, evitando assim que o animal se machuque. Ela pode ser de couro ou de tecido, algumas vezes também é alcochoada.
k) O Peitoral: O peitoral é uma correia, presa a sela, usado como acessório, para guardar o peito do animal. Algumas são bem largas para evitar que o chifre do boi fure o cavalo.
l) O rabicho: Parte dos arreios da cavalgadura que passa por baixo da cauda do cavalo e se prende a sela.
m) As rédeas: Serve para guiar os animais, fazendo-o mudar de direção dependendo para onde o vaqueiro quer que o mesmo siga. Os cavalos param ao sentirem que as rédeas estão sendo puxadas, ou seja, é o freio do cavalo.
n) A sela: A sela é um acessório acolchoado, que serve de assento, sobre o qual monta o cavaleiro.
5.6 – Descrição do processo de atividade no Haras 4x4.

O proprietário como administrador do haras 4x4 possui o papel de dar atribuições aos funcionários, como no sentido de desenvolver suas funções inerentes ao bom andamento da empresa. O haras é composto de quatro funcionários, um tratador, e três vaqueiros.
O tratador é o zelador das cocheiras, é quem limpa escova os cavalos, é ele também que dar alimentação, remédio em fim o que for necessário. O que observamos m visita no referido Haras 4x4, durante o estágio foi o seguinte; o tratador Túlio, as 6hras começa a dar banho nos cavalos com xampu apropriado, anti-carrapaticida óleo e escovação nas crinas. Logo após os cavalos são recolhidos para as baias para sua refeição (farelo de milho e uma cesta de feno). As 12; h. farelo de milho, as 15; h. Cel. Domingos é solto no piquete, as 17; é recolhido para a baias 18; h. Todos comem ração balanceada. 20h. Será solto no piquete menos Dona Edna (égua). Todos esses animais são vacinados, contra roda, raiva, antitetânica (anual) vermifugados e casquiamento a cada três meses, alem de tomar complexo vitamínico quando necessário. Assistência veterinária duas vezes por ano.
Quanto ao vaqueiro sua função é fazer o casquiamento (casquiar o casco) a cada três meses, vai quatro vezes por semana para galopear, (Amansar, domar cavalos) tanto é bom para a resistência dos cavalos como para a do vaqueiro.
5.6.1 O Processo de treinamento para vaquejada:
Finais de semana a turma da vaqueirama daquela localidade se reúne para passar a boiada. Esse tipo de esporte exige muito treino, O vaqueiro é talvez a peça mais importante em uma vaquejada. Quando puxador, ele é que faz a puxada, tendo como objetivo derrubar o boi na faixa, ou bate esteira com a função de apanhar o rabo do boi e entregar ao puxador. Na hora da puxada, o esteireiro tem papel fundamental, ele tanto pode validar o boi, não deixando que levante fora da faixa, como zerar um boi, não conferindo e deixando que levante fora da faixa.
Guilherme Diógenes tem apenas 14 anos de idade, ele tanto bate esteira como é puxador. Ele hoje esta sendo um dos melhores amador de Categoria “C” na nossa região, André Diógenes com 17 anos a função dele é puxador. O Paulo com 27 anos puxador e esteireiro. Esses vaqueiros alem de puxar tem habilidade tanto na esquerda como na direita existe animais na propriedade que são de esquerda e outros são de direita.
5.6.2 Desempenho dos Cavalos nas Competições: Origem dos animais.
No ano de 2006
, deu-se inicio as competições em vaquejada. Foi quando proprietário começou a fazer investimento nesse esporte. A equipe (dupla de vaqueiro) e os cavalos do haras 4x4 por ser inexperiente participou de 6 vaquejada onde o resultado foi satisfatório.
As premiações foram 02 em Pendências e 01 em Triunfo Potiguar. Pendências R$ 500,00(quinhentos reais) 1° e 2º lugar troféu R$ 1.660,00 (hum mil e seiscentos e sessenta reais) os cavalos que participaram foi Cel. Patrick tem como pai fred filho de Dona Árabiana, foi considerado o melhor “Quarto de Milha” tanto em vaquejada e como reprodutor no Norte e Nordeste. E de criação dos maiores criadores do Nordeste Sebastião Diógenes Paiva. Dona Árabiana mãe de Patrick é filha de Garanhão Árabe com uma égua filha de Cel. Fred. Que já produziu vários campeões de vaquejada. Cel Fredson tem como pai Cel. Mardonio e sua mãe Eliane, Cel. Mardone considerado o sucessor do Cel. Fred. Sua mãe Filha Cel. Loto puro sangue Inglês com “Quarto de Milha”. Tendo como vaqueiro Guilherme Diógenes André Diógenes e Paulo. O proprietário teve como despesa de R$ 800,00 (oitocentos reais)
No ano de 2007, O haras 4x4 adquiriu mais um cavalo (Cel. Paulo Fred) que tem como pai Cel. Mardone e como mãe Dona Conceição, filha de Loto com mãe Quarto de Milha, nessa oportunidade o cavalo Patrick começou a puxar de direita e Fredson de esquerda e Paulo Fred batendo esteira para ambos. Os vaqueiros e os cavalos com mais experiências e com mais treinos foi bem melhor que o ano anterior. O vaqueiro Guilherme Diógenes, André Diógenes e Paulo esta sempre competindo nas vaquejadas e bolões aqui na nossa região.
As premiações foram às seguintes: Pataxó, R$ 400,00 (quatrocentos reais) Alto do Rodrigues, R$ 800,00 (oitocentos reais) Paraú, R$ 600,00 (seiscentos reais) Assú R$ 1.500,00 (hum mil e quinhentos reais) e Pendências R$ 1.000.00(hum mil reais) a despesa do proprietário foi 1.500.00 (hum mil e quinhentos reais).
No ano de 2008, o haras 4x4 adquiriu mais cavalos, (Cel. Domingos) tem como pai Cel. Mardone e sua mãe Dona Meire. Cel. Marcos Fred tendo como pai Cel. Fred filho e sua mãe Dona Leopoldina. O Cel. Marcos (castanhinha) tem suas características força, agilidade, vontade de trabalhar com o gado e velocidade explosiva em curta distância. O Cel. Patrick , Cel. Fredson e Cel. Paulo Fred, continua ainda correndo. Os vaqueiros são os mesmo.
As vaquejadas e bolões que participaram foram: Assú R$ 450,00(quatro centos e cinqüenta reais) Lagoa do Mato, R$ 750,00(Setecentos e cinqüenta reais) Ipanguaçu, R$ 550,00(quinhentos e cinqüenta) Triunfo Potiguar, R$ 900,00 (novecentos reais) Bom Lugar III, R$ 350,00 (trezentos e cinqüenta reais) Jucurutu , R$ 1.800,00 (hum mil e oitocentos reais) Pataxo R$ 200,00( duzentos reais) A expectativa de 2008 foi bastante positiva.
No ano de 2006 a 2008 o proprietário teve como despesas nas vaquejadas o valor de R$ 4.200,00 (quatro mil e duzentos reais) e Premiações valor de R$ 7.260,00 (sete mil duzentos e sessenta reais) O LUCRO OBTIDO FOI; R$ 3.060,00 (três mil e sessenta reais).
5.6.3. Planejamento para 2009 –
O proprietário seu plano de ação é desenvolver uma pista 120mx30m, 10 baias 4x5, plantio de feno, aumentar a produção no plantel. E aquisições de novos animais.
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS
O presente relatório de Estágio supervisionado na gestão de produção em vaquejada teve como objetivo de analisar o desempenho dos cavalos e vaqueiros do haras 4x4. No período de 2006 a 2008. Melhorar o desempenho comercial do haras 4x4 nos seguintes pontos qualidade da raça, cruzamento, vaquejada e passeio campestre. Considera que a vaquejada é pratica desportiva formal e um espetáculo de crescente importância econômica, turística e cultural, muito popular em diversas regiões e do país. Ela é vista como um grande e próspero negócio. As vaquejadas são consideradas importantes eventos populares, deixando de ser uma simples manifestação cultural nordestina.
Dado exposto espero realmente de ter esclarecido algumas dúvidas e curiosidades relacionadas a esse tipo de esporte. O Rio Grande do Norte é apontado como o estado que deu o primeiro passo para a prática da vaquejada, esporte que emociona e arrasta multidões para os parques onde acontecem as competições, feiras e apresentações de forró.
REFERÊNCIAS
MACEDO, Mariano de. A produção sob pressão. São Paulo: Makron Books, 2004.
CHURCHILL, Gilbert A. Jr. Peter Paul J. Marketing criando valor para o cliente. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2003.
____________, G. A. e PETER, J. Paul. Marketing criando valor para os clientes. São Paulo: Saraiva 2000.
COBRA, Marcos. Marketing básico: Uma abordagem brasileira. 4 ed.São Paulo: Atlas,1997
CZINKOTA, Michael R. et al. Marketing as melhores práticas. Porto Alegre: Bookmann, 2001.
KOTLER, Philip. Marketing edição complementar. São Paulo: Atlas, 1988.
______________, ARMSTRONG, Gary. Princípios de marketing. 9 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.
REIS, Marcelo de Carvalho, MANDETTA, Rubens. Marketing princípios e aplicações. São Paulo: Alínea, 2003.
ROCHA, Ângela da, CHRISTENSEN, Carl. Marketing teoria e pratica no Brasil. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1999.
CARVALHO, Roberto T. Losito, HADDAD, Cláudio M. A Criação e a Nutrição de Cavalos. 4a ed. São Paulo: Globo, 1987.
LEWIS, Lon D. Alimentação e Cuidados do Cavalo. São Paulo: Roca, 1985.
CAMARA CASCUDO, Luis da. A vaquejada nordestina e sua origem. Natal, Fundação José Augusto, 1976.
MARCONI, M. D. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1996.
LEVIN, J. Estatística aplicada a ciências humanas. 2. Ed. São Paulo: Harbra, 1987.
MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing: edição compacta. São Paulo: Atlas, 1996.
OLIVEIRA, S. L. Tratado de metodologia científica: PROJETOS DE PESQUISAS, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. São Paulo: Pioneira, 1997.

[1] Garanhão: Cavalo designado à reprodução (MNIDICIONÁRIO AURÉLIO, 1993, p. 268).
wilmadiogenes@hotmail.com

quarta-feira, 4 de março de 2009

Vaquejada de Macaiba

Agenda
28ª Vaquejada de Macaíba
07 e 08 de Março de 2009
Local: Parque Otaviano Pessoa - Macaiba-RN
Show: Aviões do Forró, Gaviões e Solteirões
Organização: Betinho Pessoa e FamiliaContato: (84)9991-8851/9999-1964/9986-11
Premiação: 35.000,00 em prêmios

wilmadiogenes@hotmail.com

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Próxima Vaquejada

I Vaquejada Vaqueiro Amador em Vera Cruz-RN-2009
(De 28 de Fevereiro de 2009 )
Parque Rancho Sales Vera Cruz - RN
Premiação:
Amador A
1º lugar R$ 2.000,00
2º ao 5º lugar R$ 600,00
Amador B
1º ao 4º lugar R$ 300,00
Contato: Macio Sales
wilmadiogenes@hotmail.com

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Fique por dentro das festas, vaquejadas, premiações, e tudo mais que vai acontecer. Do corrente mês.

Agenda

9ª Vaquejada de Alagoa Grande PB
(De 06 de Fevereiro de 2009 a 08 de Fevereiro de 2009)
Local:Parque Santa Terezinha RN
Show:Sexta Nenem da pisadinha e Fala Brava - Sabado Arreio de Ouro e Forró dos Plays
Premiação: R$ 80.000,00 em prêmios









Circuito Mato Grande de Vaquejada(1ª Etapa João Câmara-RN)
(De 07 de Fevereiro de 2009 a 08 de Fevereiro de 2009)
Local:Parque Pedro Torquato RN
Show:Forrozão Boneca Safada e Forrozão Puxe o Fole
Premiação:R$ 20.000,00 + Uma moto no final.OBS: só concorrerá a moto os participantes de todas as etapas ou seja os 10 classificados das 4 etapas terão que ter participado de todas etapas.
Contato:Geo (84)9103.3868 - (84) 9921.6429
wilmadiogenes@hotmail.com







quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Vaquejada Touros

15ª Vaquejada de Verão - Touros

(De 24 de Janeiro de 2009 a 25 de Janeiro de 2009)
Local: Parque Santa Tereza RN
Show:
Sabádo Forró Desejo do Coração, Pé de Urtiga e Luciano dos Teclados
Premiação:
20.000,00 em Prêmios
Contato:
Carlinho e Robinho